Grego Made In China


De surpresa, elas chegaram dois dias antes, fazendo um alvoroço danado. Data errada, pensei, mas não quis acabar com a animação. Trouxeram tudo:  bebidas, petiscos e o presente. Diga-se de passagem, um presente devidamente embrulhado, como condiz a data: caixa dentro de caixa com muito papel picado no meio.


Estas minhas amigas são uma mistura da jovem e da velha guarda, um caldeirão de etnias, jeitos, salários e crenças. Mas, aqui é assim. Neste mundo pequeno, a gente se aninha independente do que aparenta. É a forma de viver que une ou separa os cardumes.

Depois do “Parabéns pra Você”, cantado em todas os tons e trejeitos, foi a vez de abrir o  pacote montado para acolher o presente. De caixa em caixa, desencapei embrulho após embrulho, até dar de cara com o conteúdo,  um negócio, digamos, nem um pouco interessante.  Não pra mim.

Funcionando com duas pilhas, o treco tinha a cara do copiado. E mais, balançava para os todos os lados, fazendo barulhinho, tipo o chocalho de cobra cascavel.  No meio do OFF para ON, uma outra função, que deixava aquela berinjela atomica só piscando em vermelho, vermelho berrante mesmo, mais parecendo zona de periferia, lá pelos tempos da boêmios. E o pior, senão mais ridículo, se solto no chão, saia dando pulinhos, alegre e saltitante, feito uma gazela.

- uê, pra que ele pula?  – quis entender.

As gargalhadas e o voto de bom proveito, não me soaram de acordo. Não que eu seja careta, retrógrada ou qualquer coisa que o valha, mas eu não entendi a minha conexão com aquele negócio MADE IN CHINA. Amanhã dou cabo nisto e fica o feito pelo não dito, pensei, assim que apaguei a última lâmpada.

Dia seguinte, dia de branco, acordo com a tarefa de me livrar daquilo. Jogar no rio? E se um peixe entalar e morrer?  E pior, este treco bóia! Talvez fosse melhor picar na faca, quem sabe enterrar no quintal? E se alguém for checar o encravado?   Tou frita? Tô!

Quanto a esta última hipótese,  eu acreditei já estar na boca do povo. Isto porque, a faxineira, aquela que vive de bíblia debaixo do braço, parecia ter dado de cara com o negócio. Isto porque chegou alegre,  até riu da minha piada boba: Aladin vai sair daí, de tanto que você esfrega este livro. Porém,  foi embora miúda, deixando serviço sem concluir e saiu com uma cara que viu alguma coisa de outro mundo.  Vixe, pensei, como vou recuperar  minha reputação na cidade? 

Estas e outras questões ficaram martelando na minha cabeça, sem que uma resposta me fosse a contento.  Eu só sabia de uma coisa: na minha vida, ele não ia ficar! Daí, a brilhante idéia de coloca-lo dentro da bolsa, para que, em uma passagem por uma lixeira, o  negócio fosse descartado. De tudo e somando-se mais um pouco, andando pra cima e pra baixo,  ocupei-me com tantas outras coisas e, a cabeça de vento, fez valer seu nome: esqueci do negócio!

Mas, acredito que eu esqueci mesmo, foi porque meus filhos chegaram. Com direito a nora e genro na bagagem. E eu me derreto toda, quando estou com eles. Ainda mais se tratando do meu aniversário! Nenhum negócio emborrachado me tiraria desse estágio.  Exceto, quando a pergunta veio, lá do outro canto da casa, despois que  eu pedi minha filha pra pegar minha carteira, dentro da bolsa.

- maiê, cê tá usando isto?

Meu estomago colou nas costas! Sim, eu estava rendida, mortificada! As cores do arco-íris passaram por minha cara, pronta para o pior. Estática,  contei o barulho dos passos dela em minha direção. Imaginei a cena, ela viria segurando aquilo, talvez sacudindo bem no alto, em busca de uma explicação que, obviamente,  não seria nada convincente. Pronto estava a poucos metros da minha total desmoralização! 


- Porque não contei, antes?  - pensei ao engoli seco. Poderia ter pedido opinião, criticaríamos juntos,  e o assunto poderia vir até servir de exemplo: "O que não se dar de presente para alguém que faz 50 anos". Bom, eles poderiam até entender, mas e os demais? Podia até escutar: Tá carente, né?  Que cena mais  patética!

Mas não, ela entrou,  desfilando com uma roupa minha, dizendo que estava curta demais, assanhada demais e coisas do estilo. E o meu coração que já chegava na boca, explodiu em gargalhada de alívio, o que, obviamente, gerou outras coisas, outras interpretações, você tá me criticando?, e por ai a fora. Todo mundo entrou na discussão.  Volta aos erros do passado, foi o que não faltou! Então, pra acalmar os ânimos, levou o vestido de brinde: nada disto, meu bem, é porque você descobriu o seu presente.

Agora sim, eu era a fera em pessoa. A alegria do meu aniversário fora colocada em jogo, perdi a faxineira, trabalhei bastante, dias antes, pra viver uma festa e não clima de suspense!  Eu queria um dia  calmo e não adrenalina sacudindo meus nervos. Fora o bere-be-be danado, transformado em uma quase briga que me obrigou a dar adeus ao meu lindo vestido, e isto tudo por culpa do um Presente Grego Made in China! Diante disto, decidi que ele seria fulminado e até sorri, silenciosamente,  ao montar o meu plano maquiavélico. 

Portanto, eu que não como carne, muito menos faria um churrasco dentro da  minha casa, topei comprar uma churrasqueira, destas que se coloca na laje. Passei o tempo todo soprando brasa, abanando fumaça, me maquiando de cinzas, enquanto um bicho morto chamado pedaço de carne, tostava de um lado pra outro.  Mas, por dentro, no fundo do coração, adorei cada minuto que passou, até ver o fim, bem vingativo, daquele negócio da China.

- Maiê, que fedô de borracha é este? Tem alguma coisa pegando fogo lá fora!

- Liga não, volta dormir.  Foi um plástico que caiu dentro churrasqueira. Bom pra espantar as muriçoca e tirar este cheiro de bicho morto daqui.

10 comentários:

  1. rsrsr na churrasqueira??? Ô coitado do chinesinho!!!!

    Mas que amigas da onça, Valéria. Isso é coisa que se dê pra alguém? rrsrsr

    Imaginei as cenas aqui. Que prosa boa.

    Beijos

    ResponderExcluir
  2. Pelo menos o objeto serviu para uma bem humorada postagem, e cá entre nós, não seria mais fácil rejeitar o mimo ou então jogá-lo num fundo de guarda roupa para ser encontrado somente na divisão da herança? Bom, cada um faz o que quer com os presentes que ganha.
    Brincadeiras à parte gostei do texto.

    ResponderExcluir
  3. Parecia que estava a ver as minhas filhas sempre surripiando as minhas coisas.
    Tem umas amigas muito preocupadas com o seu bem estar, rsrsr

    Há presentinhos, que o problema é como nos desfazermos deles, são uma dor de cabeça.

    O texto está engraçadíssimo, parabéns

    Abs

    ResponderExcluir
  4. Kit, tô pasma!
    (até me engasguei aqui, de tanto rir!)
    Imagina só,guardar no fundo do armário?? Contei pra minha nora a tua aventura!
    Valéria,Valéria...ai,ai,ai... sabe o que pensei agorinha mesmo? ainda bem que eu não estava aí..kkk...vai que esta coisa fosse parar, sem querer na MINHA bolsa! kkk......... Bom, pelo menos pra espantar muriçoca,serviu!!
    Adorei, ri tanto que quando minha irmã,depois de meses sem nos falarmos ao telefone,me ligou pra saber da nossa casa,assunto sério que devia estar me deixando deprimida...kkk...me encontrou toda prosa,rindo à toa!( de você, viu kit, não por causa do chines! rs....)
    Beijos, adorei!
    Vera.

    ResponderExcluir
  5. ahahahahah
    Valéria, rico presente de aniversário! Estou para aqui a chorar de tanto rir do chinesito, e a pensar que a vingança foi perfeita. Imolação pelo fogo é assim uma espécie de recuperação da pureza inicial, que o diga a Joana D'Arc! rsrsrsrsr

    Mas, minha amiga, na realidade tive que ler a história duas vezes (desconfiava que estava algo escondido nas entrelinhas), isto porque antes das 10 da manhã funciono apenas com meio neurónio! ehehehehehe

    Adorei a tua aventura. Beijos!

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkkkkkkkkkk.. eu passei mal aqui de tanto rir Val. Dava tudo pra ver ambas as cenas, a de você recebendo isso de presente e depois do receio da Vivi ter achado isso na tua bolsa...rsrsrs

    Me lembrou uma vez a muitos anos atrás quando eu e uma amiga ganhamos da dona da loja vizinha a que trabalhávamos um chocolate de páscoa de formato bem característico, com direito a recheio de leite condensado pra piorar a situação.kkkkkkkk Foi cômico e constrangedor ao mesmo tempo.

    Mas minha amiga.. o bichim foi parar na churrasqueira?! ficou com medo dele sair pulando de lá aceso não?kkkkkk Brincadeiras a parte realmente não acho que esse seja um presente que se dê a menos que saiba que a pessoa gosta de usar.

    Comédia, rí demais aqui dessa sua aventura de niver que ainda não havia me contado...rs

    Beijos no coração

    Márcia Canêdo

    ResponderExcluir
  7. AHhahAahAH q situação!!! Mas vc soube resolver direitinho :)

    Parabéns pelo aniversário e pelo desfecho ! :)

    ResponderExcluir
  8. kkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    sorte que ela não saiu gritando:
    maiêêêêê, vc ta usando um vibradooooor?

    e parabens por tantos sinonimos que achou para ele!


    beijos
    adorei o cauuuuso

    ResponderExcluir
  9. rs! Amigos da onça merecem tomar o leite da dita, rs! então, retribua o presente, Melzinho, ou parte do que ele te fez passar, para ambas, as 2 doydas taradas que te deram o tal trem, rs!

    Sugestão: dê à elas, numa belíssima embalagem, uma mandioca brava, com casca e tudo, rs!

    1 grande abraço e beijo carinhoso pra vc, bela!

    ResponderExcluir
  10. Olá Kit. Quero agradecer a você por ter participado com seu comentário e votado na nossa dica la do diHITT. QUAL FOI TUA INSPIRAÇÃO PARA SER TORNAR UMA BLOGUEIRA. Valeu mesmo. Belíssimo teu blog, parabéns. Tenhas excelente final de semana. Fica com Deus abençoada.

    ResponderExcluir

Quer comentar? Seja bem vindo!