O Amor e a Vida



E o Tempo fecha suas comportas, parando o mundo, quando Santiago sai do escuro e dá de cara com Alice. O clarão, vindo da Lua, emoldura os corpos, frente à frente, no brilho e no cheiro da pele que respira por inteiro o estado ao vivo e em cores. Ela, com jeito agreste, enrosca pelo ombro encabulado e ele sorri "amarelo", na continuação dela. Silenciados de frases e complementos, absortos no pisca-e-abre do olhar curioso de se ver por inteiro, apenas sorriem. Enquanto se escaneiam, ao redor, emudecido e estagnado feito estátua, o Mundo Imperativo assiste ao espetáculo humano audacioso.

Foi Alice quem primeiro tocou levemente sua boca na dele, minutos depois. Seja bem-vindo à minha vida, meu bem!! - foi só o que disse a ele. Santiago sorriu com os olhos e retribuiu o roçado, num jeito satisfeito, ainda que meio de lado, com covinha na bochecha e tudo.

- Temos que ir – ela interrompeu – o céu ta escuro, vem chuva por aí.

Mas o destino, que tem pressa e por isto não deu trégua, embananou o caminho, aproveitando, quem sabe, do efeito enebriante que a emoção trazia. Pois, o que era para ser percorrido em linha reta, se abriu em círculos e viadutos, num sobe-e-desce de estradas cada vez mais confuso. Eles já tinham andado por horas, no "é aqui, é ali", até se darem por convencidos que estavam ao contrário da Cidade-Porto. E quando, madrugada alta, cansados, encontraram um lugar para parar e por as ideias e o rumo no prumo certo, foram recebidos por um sujeito sonolento, grudado na bíblia, para falar o que o destino queria:

- Vocês estão com sorte – arrematou. Só tenho um ultimo quarto e é de casal.

Aquilo não estava nos planos. O combinado era se descobrirem e se encontrarem no tempo de cada um...se este fosse o tempo certo. Mas o moço, que esticou a mão e entregou a chaves, se despediu sonolento, trancando o hotel lotado.

- Eu vou beber alguma coisa – disse Alice, assim que a porta se fechou.

Mas foi só quando entrou no quarto, depois do banho, que alguém, bem de longe, ligou o som e impregnou o ambiente. É a nossa música - concordaram, quase que instintivamente. Alice dançava, rodopiando, rindo e brincando. E foi numa dessas voltas que se virou, viu Santiago aos seus pés, sorrindo.

- Linda – ele disse. Você é linda!!

Então, ela parou e se ajoelhou junto e em frente a ele. E, como se quisesse se embriagar, sugou-lhe o cheiro do peito até o rosto. Frente à frente, ele a beijou pela primeira vez e desta vez, enlaçando-a pela cintura, nas mãos pelas costas, pelos cabelos, ele homem e ela sua mulher, encharcados um no pêlo do outro, em meio a cheiros, suores e a terra molhada da chuva que caia pela janela. De certo, dois seres lavados de suas dores, saudades, medos. Desnudados de complexos, conceitos e preconceitos, numa entrega lenta e saboreada, perfeita como todo Amor deve ser. Estava sacramentada a união dos que um dia estiveram separados, sabe-se lá por quê. Por isto, depois daquele, muitos dias amanheceram e anoiteceram, e com eles risos, emoções, descobertas, num amor doce e intenso, no cheiro do café coado, das panelas fervilhando, temperos na mesa posta.



Mas, tudo que tem princípio, tem meio e fim. E assim, o último dia, a despedida, também chegou. Isto porque ambos seguem horas, horários, contas que vencem, gente que espera, muita gente... Ambos sabem as marés de cada um.

Alice reconhece a exatidão do tempo. Santiago acha que as certezas têm que ser escritas como cartório, porque já andou a esmo demais. Na realidade, ninguém sabe nada de nada. A vida cobra, o tempo ri: buscar certezas a onde? Chega a ser inexato fugir da dor se esta faz parte do prazer. Mas é o que buscam!! E quem aqui, em sã consciência, dirá que estão errados? NInguém tem tempo a perder e todos se perdem no tempo. Mas voltemos. Eu só quero contar a história e não analisar o certo e errado de cada um.

Só tenho a dizer que Santiago voltou para seu canto e Alice para o dela. Como a vida é. Tum-tum-tum tem que se acomodar e esperar. Até que os pingos estejam nos is. O que acontecerá, só o tempo tem para demonstrar com certezas. São tantas buscas, todo mundo cansado de errar... Tem tudo pra acontecer, mas tem muito pra se jogar pra cima pra que tudo aconteça. Porque no mundo e na hora todos tem no compromisso o que cada um fez da vida.

Aqueles dias, em que foram apenas um, capazes de abraçar o destino e serem humanos, naturalmente humanos, agora clamam pela exatidão das cartas certas, a minimização de erros. E a roda da vida, implacável, ri desta besteira toda, dizendo que, no fim da vida, o que conta são as plenitudes vividas e não as coisas acumuladas.

Feliz, cumprida a missão por ter dito e feito o que queria, a Vida, irmã do Destino, retorna ao seu ritmo normal, com buzinas de carros e celulares que tocam sem parar, e deixa os amantes no tempo de cada um. Eles se vão, misturados ao zum-zum-zum das abelhas, dos cavalos desembestados, dos profetas, dos pássaros de fogo, as estrelas e do Tempo, do beijo soprado pelas palmas das mãos, dos sussurros e dos medos, do Rio e do Mar; agora atendendo aos chamados...

Até Deus volta a cuidar de outros incautos, pra quem sabe, tentar 70 vezes 7 mostrar o que ninguém tem coragem de ver. Foi Ele quem criou o mundo, mas este anda sozinho. É o jeito moderno de sobreviver. Ironia, não é? Muita ironia!!


- Tudo junto e misturado -

F I M
da primeira parte

12 comentários:

  1. Val... estou aqui sorrindo! Primeiro o texto é delicioso e depois esta historia (com H pq é real) fez com que eu lesse com desejo de quero mais continuação, pq sei o quanto tudo isso é especial.

    Adorei!

    ResponderExcluir
  2. Querida Valéria!
    Esta sua frase : " todos tem no compromisso, o que cada um fez da vida", é a que, muitas vezes, nos separa, nós que estamos do outro lado de sua história, de podermos nos entregar a viver a vida, assim, como vocês a viveram... que bom que puderam agarrar estes momentos e podem sentir que tem nas mãos, certo poder de escolhas, pequenas escolhas, que poderão trazer novos pirilampos e fagulhas de luz...e fogos de artifício, às noites que pareciam tão calmas.
    Vivam a alegria de deixar a Deus, a solução dos problemas do tempo e do mundo e tomara que Ele olhe por vocês, e se compadeça ... e os abençõe, meus queridos. No momento, vocês tem um só " coração menino" a bater no ritmo ingênuo da paixão, que rompe barreiras, não traz certezas, mas é o começo, meus caros... é o começo!
    E Deus abençõe os amantes, porque eles fazem da terra, o reino dos céus!
    Minha vida fica sempre mais "sorridente", quando vejo um casal ter a clareza de escolher entregar-se ao amor.
    Como um de vocês, mais ou menos, já disse, seria um desperdício, e um pecado, seduzir, sem ter a intensão de amar uma mulher!
    Um beijo carinhoso, Vera.

    ResponderExcluir
  3. Lindo texto, que ao contrário que disse não considero o final mais o inicio de tudo ... que o tempo e o destino se encarreguem de todo o resto. De minha parte desejo sorte.

    BEijo
    Márcia Canêdo

    ResponderExcluir
  4. Este comentário foi removido pelo autor.

    ResponderExcluir
  5. Valéria,

    Finalmente o encontro de Alice e Santiago: corpo e alma. E a certeza que fica é: os dois são como se imaginavam.

    Este é, para mim, o parágrafo que diz quase tudo:

    "Só tenho a dizer que Santiago voltou para seu canto e Alice para o dela. Como a vida é. Tum-tum-tum tem que se acomodar e esperar. Até que os pingos estejam nos is. O que acontecerá, só o tempo tem para demonstrar com certezas. São tantas buscas, todo mundo cansado de errar... Tem tudo pra acontecer, mas tem muito pra se jogar pra cima pra que tudo aconteça. Porque no mundo e na hora todos tem no compromisso o que cada um fez da vida".

    Destaco a frase que revela um paradoxo: "Tem tudo pra acontecer, mas tem muito pra se jogar pra cima pra que tudo aconteça".

    Na vida, tudo tem um preço. O amor, todavia, parece exigir o preço maior. Pagar o seu preço requer prudência e sabedoria.

    Ainda que haja o pensamento de que o amor é loteria - eu não concordo com a frase - amar é diferente de apostar. Pode ser que se aposte numa paixão. No amor, um investimento.

    Num jogo, pode-se blefar; apostar tudo; dar a última cartada e ganhar ou perder tudo. No amor, a meu ver, não se aposta, mas se investe. Este investimento se faz com a razão. O jogador, no afã de ganhar, aposta com o coração, pondo de lado a razão. Afinal, se usá-la nesta hora é quase certo recuar. A razão o fará pesar os prós e os contras e desistir do risco de perder tudo.

    Por sua vez, a razão norteando e orientando o coração daquele que ama, levará ao lugar certo na hora certa, e acontecer. E, acredito, não será preciso jogar nada para cima ou para o alto. Apenas colocar as coisas no seu devido lugar: onde já estão, onde deverão ficar.

    Alice e Santiago são duas pessoas experientes, inteligentes; que sabem o que querem; que querem um ao outro mas... Há entre os dois uma palavra de sete letras: esperar. Como o tempo não espera, Santiago e Alice precisam apenas juntar as duas palavras: tempo + esperar. E, assim, temperar, tudo junto e misturado.

    Tenho dito.

    Abraço do amigo,

    Antonio

    ResponderExcluir
  6. Olá Valéria! :)

    Este era o fim para Alice e Santiago. Eles tiveram a visão do Momento, a curiosidade de o explorar e a coragem de o viver. Eles viveram os seus Momentos de felicidade intensamente e esses Momentos viverão com eles eternamente.

    Infelizes são os que apenas passam pela Vida ladeada de Momentos, e os desprezam, ignoram ou simplesmente nem se apercebem deles.

    Querida Valéria, nestas tuas "férias" vou ter saudades das tuas histórias, companheiras de manhãs chuvosas e rotineiras.

    Beijos grandes. Eu vou passando por aqui.

    Luísa

    ResponderExcluir
  7. Oi,
    Kit,
    Estava esperando o final de Alice e Santiago a um tempão e gostei muito, o final ficou perfeito!
    Parabéns!!Beijão no seu coração e fica com Deus

    ResponderExcluir
  8. Valéria,

    Mais uma parte emocionante que a vida escreveu e que você transcreveu com todo o seu coração.

    Santiago e Alice formam um lindo casal, mas só o tempo dirá não é mesmo amiga?

    Adorei!

    Bjs.

    Ro.

    ResponderExcluir
  9. Amiga desta vez você se superou, por isto gosto de visitá-la quando posso, pois levo boas leituras comigo.
    Abraços forte

    ResponderExcluir
  10. Olá Valéria querida!
    Um texto lindo e emocionante com uma história simplesmente maravilhosa. Você é uma daquelas pessoas que escreve com a alma e o coração querida.
    A vida é feita de momentos e o Santiago e a Alice sempre serão um lindo casal, pois viveram o seu momento. Se voltarão a ter outro momento... só o tempo dirá.
    Adorei querida amiga!
    Beijo no coração, Fernandez.

    ResponderExcluir
  11. Venho a este site por três razões que são distintas, pela leveza que ele transmite, pelos sempre belos e corretos textos apresentados e pelas pin-up's que surgem logo na entrada dando as boas vindas a quem por aqui chega.

    ResponderExcluir
  12. Val, eu vou dormir, continuando meu passeio pelo seu lindo blog, descobri é que eu já o conhecia... então...meus neuronios precisam de repouso.

    Beijos

    ResponderExcluir

Quer comentar? Seja bem vindo!