O fim do Mundo


Lembro-me bem daqueles dias em que Buritizeiro ainda era novidade pra alguém como eu, recém chegada da cidade grande. Era também tempo de virada de século, bem na estréia do ano dois mil.

Naquele início de noite eu passeava pelas ruas, buscando seus moradores e aprendendo, encantada, às novidades que me eram proporcionadas pelos costumes da recém apresentada cidade. Minha mente fervilhava conhecendo pessoas de jeito desconfiado, olhar de soslaio, gente que vigia, enquanto conversa e, quando fala, a fala é mansa, cantada e sem pressa. As histórias já mexiam com minha imaginação, quando na porta de Neguim, a apresentação foi bruscamente interrompida pelos gritos:

- Jesus voltou! Jesus voltou! – berrou a voz na rua. E pelo tamanho do pulo no banco, ficou claro a seriedade do caso, com o susto da minha anfitriã - Gente, quequiéisso?

- Vem ! É o fim do mundo que chegô! – repetiu a voz ao apontar com o queixo, o decreto estampado bem na cara de toda gente.

Era um círculo. Uma bola gigantesca formatada com um furo bem no meio, brilhando feito prata lustrada. E pra completar a aparição, crescia e diminuía em forma ritmada, abrindo e fechando uma clareira na abóbada celeste! Um ohh, com a mão travando o grito na boca tomou conta de toda a gente. Dali em diante, fez-se o caos na cidade.

Homens acolhendo suas mulheres, crianças agasalhadas aos braços dos pais, gente de todas as idades cortando as ruas, num vai e vem frenético, deixando, no rastro, gritos de pavor! Era de arrepiar! E que ninguém duvide, porque era só virar osoi pra riba e confirmar: lá estava os sinais do fim do mundo, na cara do céu!

Na época, a televisão vinha alardeando, estampado em suas manchetes, com avais de Nostradamus e até de Mãe Diná, o prenúncio de que aquele ano seria sim, o adeus geral. “Mil verás, dois mil não passarás”, relembrava outra voz ao se benzer.

- Oh minha filha, Jesus precisa me perdoar. Pelo amor de Deus, leve eu pra casa. Preciso ver meus fio! Tenho quê pedi perdão - chorava a senhora,bem branquinha, que veio agarrar-se a mim.

Acomodada a mulher no carro, volante firme na mão pra contornar o povo boquiaberto no meio da rua, cara-a-cara com a aberração, lá fui eu, satisfazer o último desejo da dona. Não sei se o que me deixou estremecida foi o desespero do povo, se os gritos da mulher ou mesmo o branco engolindo o céu. O certo é que me fiz parte da multidão ensandecida.

Mãos tremendo ofertaram-lhe água com açúcar, assim que desceu do carro. O filho, aturdido, preferiu sentar-se silencioso à porta da casa e deixar perder o olhão triste no fim anunciado no céu. Ficou ali estagnado, suas pernas lhe avisaram, não adianta correr, a morte alcança de qualquer jeito. Ia dar uma de besta nada!... A menina, coitada, que na realidade era uma mulher de peitos fartos e mãe de cinco rebentos, fungava o nariz na palma da mão, assim, meio que embebedada, olhos pregados na velha mãe, querendo decorar em meio a tantas lágrimas, as rugas da sua progenitora. E foi bem assim que a velha, agarrada aos filhos e netos, descascou seu segredo. E eu, diante da cena dos abraçados, falando baixo feito reza, deixei a família trocando suas confissões. Voltei pra rua.

No carro sintonizei o rádio pra escutar qualquer tipo de elucidação para o caos que se formara na cidade. E como o ritmo Dance corria solto, sem interrupção do locutor, julguei, inicialmente, ter sido aquela escolha na despedida musical. Fugiram, deixaram qualquer coisa tocando, pensei. Cheguei visualizar a rádio abandonada, e sim, achei de mal gosto morrer assim, americanizada.

Enquanto ruminava sobre o estilo musical, fixei o olhar no céu. Na soma do dois mais dois observei que a bola acompanhava o ritmo vindo do som da música no rádio. Ainda buscando ligar uma coisa com a outra segui pra beira do rio São Francisco e a resposta, como um quebra cabeça, veio clarear o tamanho do Deus-nos-acuda.

Do outro lado do rio, cerca de 700 metros à minha frente, em festa, estava Pirapora. Do alto, do lado de Buritizeiro, onde eu estava, pude ver uma barraca toda branca, enorme, imponente e majestosa, armada bem na praia do Velho Chico. 


A boate itinerante, pra gritar sua estadia e atrair sua gente, riscava o céu com um canhão a laser. Era este o fim do mundo que dançava no céu.

Mais tarde vim a saber, que gente de todo jeito e tamanho, tanto de Pirapora quanto Buritizeiro, afiançou aquela coroação celeste como o fim dos tempos. E eu aqui, ré confessa, dou minha mão a palmatória: deixei-me levar pela aparição. Também, qualquer um ficava assim, se tivesse embreada, como eu, no meio da confusão e gritaria. E também, como todo mundo, não achei nenhuma graça quando a ficha caiu.

Hoje, mico bem pago, fico a rir de mim e de todos os pecadores que não consentiram que raciocínio imperasse. Porém, tanto aqui, quanto em Pirapora, quem não acha graça desta história é aquele que não se pode nem tocar no assunto. Talvez por ter dito muitos dos segredos e, por isto, arrepende-se. Mas, os poucos que dele falam e dão risadas, ficam a relembrar de fulano e cicrano e as mais variadas formas com que cada um encontrou pra viver o fim do mundo.

15 comentários:

  1. Anônimo11:06

    Mto bom.... kkkkk
    Cleiva.

    ResponderExcluir
  2. Adoro ler esse tipo de causo, seja verdade ou não...Parabéns pelo blog!

    Lembrou realmente a história da espiral da Noruega!

    Grande abraço!

    http://casossobrenaturais.blogspot.com/

    ResponderExcluir
  3. Olá querida amiga Valéria,

    Outra crônica maravilhosa!
    Parabéns pela brilhante narrativa.
    Se a foto do post é a que deu origem à crônica, realmente, deixaria muita gente instigada com tal imagem, induzida a pensar no fim do mundo.
    Sempre pensei em morar numa cidade pequenina. E, da forma como escreve falando de sua cidade, dá uma vontade imensa de conhecê-la!
    Um beijo em seu coração.
    Carinhoso e fraterno abraço,
    Lilian

    ResponderExcluir
  4. Marcondes (Pirapora)13:36

    Mas você é má, em kitmell!! Contar pra todo mundo, coisas assim! rsrsrsr. Mas foi verdade mesmo, fazer o que? E o povo de Pirapora? Teve gente rezando no meio da rua. Foi muito engraçado mesmo. Voce devia contar era a história do rodeio. Aquela em que "alguém" caiu em um buraco de mais de 1 metro e nem por isto derramou a cerveja. Conta esta que eu quero ler.

    Bjs, linda, aparece aqui!! Sumida!!

    Marcondes.

    ResponderExcluir
  5. Saudações!
    Amiga VALÉRIA, só você mesmo para construir uma crônica dessa envergadura, envolvente, repleta de suspenses, e uma narrativa impecável que nos permite lê-la de um só fôlego.
    E o mais impressionante é a sua criatividade em colocar a ponte do fim e continuação do mundo num colorido de vida sem igual.
    Parabéns por mais um obra de magnitude e mágica!
    Lindo Post!
    Abraços,
    LISON.

    ResponderExcluir
  6. kkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkkk
    Fico imaginando a cara de cada um depois de tudo esclarecido!

    Essa foi ótima!

    Beijos

    ResponderExcluir
  7. Eu me lembro a primeira vez que vi as luzes de um canhão de laser, achei aquilo fantastico, dava para viajar em idéias de outro mundo mesmo. Imagine, Valeria, que as pessoas despreparadas da modernidade podiam ter se machucado, não é mesmo?! Voce deve ter rido até dizer chegar...

    ResponderExcluir
  8. Adorei o conto.
    Confesso que gostaria de estar lá neste momento. Não que goste do caos, mas gosto do curioso, do inexplicável sempre solucionável.
    Maravilhoso texto!!!

    Um forte abraço!

    ResponderExcluir
  9. Qui belezura de maravia nu çéu,sô! rSrs

    O fim do mundo bem poderia ser todo dia;
    só aççim,a gente ia virar gente!

    Quem é da roça se espanta,si ispáia;
    quem é da cidade se espanca,tá nem aí...

    masssss,a cidade grande tá virando roça,
    i nu dia da coiêta,us caipira di verdadi
    é qui vão rir dus da cidadi!

    Um abraço grande pra vc,Kit... Vou grudar içakí lá no diHITT.

    ResponderExcluir
  10. Maravilhosa esta história, ainda mais com os regionalismos.
    Obrigado por proporcionar tão belo texto
    Um grande abraço
    Giba

    ResponderExcluir
  11. Valéria,

    Como causo e mico pago, a história até que dá Ibope. Afinal, você até fez "carreto" pro mode que mãe pudesse pedir perdão aos seus filhos. E você contando e eu aqui me escangalhando de tanto rir.

    Mas o que está escrito acerca da vinda do Filho do Homem é algo para pensar sério e muito sério: "Porque, assim como o relâmpago sai do oriente e se mostra até ao ocidente, assim será também a vinda do Filho do Homem" - Mateus 24:27. Esse video ilustra o que se imagina que acontecerá. Particulamente creio que será um acontecimento inimaginável.

    http://www.youtube.com/watch?v=T308SRu2570

    Abraço do amigo,

    Antonio

    ResponderExcluir
  12. nossa q maravilha de post
    guria fiquei na aflição aki
    imagina se sou eu eu caio dura na hora e a tal vovozinha q iria q ter de me socorrer
    parabens guria
    bjo grande

    ResponderExcluir
  13. Olá Valéria!
    Adorei mais esta, e o legal era estar lá pra poder rir junto, uma da cara da outra,depois. Até que você foi prestativa minha cara, com esse coração meio manteiga, meio jornalístico!
    Arruma ele direitinho e volta logo!
    Pegou meu telefone?
    Beijo,
    Vera.

    ResponderExcluir
  14. joana13:17

    Valeria
    Voce realmente viveu o fim do mundo!...Imagino seu susto!!!!...
    mas agora dá vontade de rir né?
    Gostei muito de ler!!!
    beijnhos
    joana

    ResponderExcluir
  15. Quantas vezes já nos ameaçaram com o fim do mundo e sobrevivemos. Avise o pessoal de lá que 2014 tem mais boate itinerante. Gostei! Um abraço, menina!

    ResponderExcluir

Quer comentar? Seja bem vindo!